Mostrando postagens com marcador Esponjinha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Esponjinha. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, novembro 28, 2012

Via Verde: Flores do Cerrado







O Cerrado está sempre enfeitado com flores de diversas cores. Neste mês de novembro cliquei algumas delas que ficam em uma 'rua ecológica' de um condomínio de Brasília. Chamamos assim porque é uma rua que fica no final do condomínio, sem casas e com a mata nativa preservada. Há até pequis e cajus do cerrado, aqueles cajus pequenos e bem doces. Mas, ficando só na florada, deixo aqui essas flores, algumas com seus

segunda-feira, maio 24, 2010

Via Verde: Esponjinha (2)







Esponjinha, esponja, manduruvá, quebra-foice (Calliandra brevipes). Família das leguminosas. Arbusto de até 2 metros. Fizemos essas fotos em Goiânia, no Parque Areião*, em abril último. Podemos vê-las em volta do Parque inteiro.

Em outubro de 2008, mostramos fotos de uma outra esponjinha, a Calliandra tweedii. Veja em Via Verde 10: Esponjinha. Dependendo da região, há variações no tamanho das plantas.
As esponjinhas são muito comuns no cerrado brasileiro. 


------------

*Veja sobre o Parque Areião e mais fotos em:
Parque Areião - Goiânia em nosso blog coletivo "Terra, aquele abraço".

---------------------------

segunda-feira, outubro 06, 2008

Via Verde: Esponjinha




------------------------
Esponjinha, caliandra, esponjinha-vermelha (Calliandra tweedii). Família das leguminosas.
Por todos os lugares, principalmente no mato do cerrado, encontamos a esponjinha. São lindas, frágeis e, ao mesmo tempo, resistentes ao calor e ao tempo seco.
------------------------

segunda-feira, fevereiro 11, 2008

Via Natureza: Esponjinha ou Caliandra do Cerrado



Esponjinha  ou caliandra do cerrado - Foto tirada em julho de 2007 no Zoológico de Brasília-DF.

Errata: Não sei por qual motivo (talvez pressa, quem sabe) a foto acima não saiu na postagem de sexta-feira passada junto com a mensagem de bom weekend. Mas, nunca é tarde para se apreciar o belo, não é mesmo?

Como em todo erro aprendemos; fiz esses versos:

Há tempo para brincar e há tempo para trabalhar
Há tempo para errar e há tempo para consertar
Há tempo para sonhar e há tempo para viver
E no sonhar e viver há tempo para amar


--------------------------------------------------