Mostrando postagens com marcador Via Verde. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Via Verde. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, maio 27, 2021

Dia Nacional da Mata Atlântica



Hoje, 27 de maio, é um dia que deveríamos comemorar, com alegria, o Dia Nacional da Mata Atlântica. Mas, sabendo sobre a devastação que essa floresta atualmente sofre, não temos como não ficar tristes. Desmatamentos e queimadas são constantes. 

A Mata Atlântica está presente em 17 estados brasileiros e cobre 15% de nosso território. 

Frutas da Mata Atlântica 

Pequena, vermelha e adocicada: que fruta é essa?

Nosso país é rico em frutas desconhecidas por boa parte de nós. Apesar de serem frutas deliciosas, passam longe das feiras e dos supermercados. Acontece isso por vários fatores, mas podemos deduzir ser um deles por falta de vontade política de valorização do produto nacional. 

Em rápida pesquisa encontrei várias frutas típicas da Mata Atlântica. Veja alguns nomes:

Araçá, ameixa-do-mato, falsa-cereja, cambucá, cambuci, cambuí, guabiroba, gramixama, juçara, pitangatuba, uvaia. Algumas delas estão em risco de desaparecimento.

Em 2011 contamos sobre uma frutífera  plantada em nosso quintal, com certeza originária da Mata Atlântica. É a pequena fruta vermelha das fotos da imagem. Veja mais fotos, os quase duzentos comentários recebidos na postagem e diga se você já comeu ou viu uma frutinha assim:

https://www.luisanogueiraautora.com.br/2011/01/via-verde-pequena-vermelha-e-adocicada.html?m=0


—————

segunda-feira, março 29, 2021

Melão-de-são-caetano

 


Melão-de-são-caetano ou melãozinho. Você conhece? É comestível ou medicinal? Se você tem alguma informação, deixe aqui, nos comentários.

Sei que é uma trepadeira e seus melõezinhos são uma graça. As sementes são pegajosas,  envoltas em uma polpa que, de certa forma, ficam fixas no lugar onde caem. Deve ser um meio de proteção. Veja através das fotos que fiz hoje.

Há alguns anos ganhei uma muda que cresceu, mas desapareceu logo depois. O ano passado vi outra planta que crescia mais ou menos no mesmo lugar da mudinha anterior. Pelas folhas percebi que devia ser o melãozinho. Ela apareceu rente a um muro. Como é trepadeira, foi avançando com suas folhas miúdas e hoje encontrei seus frutos já maduros. 

Folhas do melão-de-são-caetano 

Melãozinho ainda verde

Este amadureceu e abriu (explodiu, como fazem algumas plantas para espalharem as sementes?) Duas sementes ficaram coladas no muro. 
 
Este está tão maduro que sua pele (crosta?) começa a abrir

Sementes do melão-de-são-caetano. Elas são envoltas por uma polpa vermelha pegajosa. Veja, esta ficou sem cair de meu dedo. 

Sementes do melão-de-são-caetano 

Então, vamos pesquisar juntos sobre esta charmosa plantinha? Deixe seu comentário, combinado?


terça-feira, março 16, 2021

Bromélias


Você gosta de bromélia? Veja algumas de nosso álbum Bromélias. Fiz as fotos em Brasília, em 2009, para uma pesquisa com nossos amigos blogueiros, sobre essas plantas tão lindas quanto resistentes. Foram cinco postagens. Deixo aqui o link do último post, cujo título  foi: “Bromélias: inocentes ou culpadas? A pesquisa coletiva e sua conclusão”.

https://www.luisanogueiraautora.com.br/2009/11/via-verde-69-bromelias-inocentes-ou.html?m=1













Veja mais fotos através do marcador Bromélias.

segunda-feira, março 15, 2021

Acerolas: essas são minhas

Print de uma foto que fiz para o Instagram




Brincadeira com acerolas de meu quintal, postado em minhas redes sociais, durante o tempo que estivemos longe deste blog. 

Gosta de acerola? Veja fotos e informações sobre essa frutinha cheia de vitamina C, aqui mesmo no Multivias, através do marcador “Acerola”.


Nota: A foto da acerola está em meu Instagram. Por problemas técnicos, não consegui baixá-la, por isto deixei somente o print.


quinta-feira, dezembro 10, 2020

Entre plantas e livros


Entre plantas e livros


Como está sua vida na quarentena? A pandemia mudou somente um pouco sua rotina ou abalou totalmente seu modo de ver e de viver a vida?
Sim, vivemos uma situação nova, nunca imaginada. É a vida adaptada a um só lugar: nossa casa. Quando saímos - se saímos, utilizamos máscara, levamos conosco álcool em gel e muita preocupação. Entrar em supermercados? Alguns arriscam sem muito medo, outros entram sem tocar em nada e com luvas de plástico. E você, como faz? Compra pra entrega?
Aqui em casa, fazemos as compras de supermercado e farmácia pelo WhatsApp. O on-line virou moda. E, pra não morrer de tristeza diante de tantas mortes e de tédio por não poder ir naqueles nossos lugares favoritos, inventamos, criamos, trabalhamos em casa.
Minha rotina mudou bastante. Saía muito pra restaurantes, feiras, parques, lugares ao ar livre e também, shoppings, apesar deste último não ser meu lugar preferido. Mas nem todos pensam assim, tínhamos que acompanhar a família...
Hoje nos dividimos entre ajudar em casa - não temos mais ninguém pra ajudar nas tarefas domésticas e trabalhar pela internet. Minhas caminhadas - e nossas, da família - saíram das ruas e parques e passaram para o quadradinho do quintal. Em casa fazemos de tudo para passar o tempo, desde artesanato com retalhos de tecidos, desenhos, colagem e dobraduras de papel. E livros, muitos livros. Mas, temos também plantas. Se não fossem elas, diria que ficamos congelados no tempo dentro de uma nave espacial. Feliz daquele que tem plantas, mesmo dentro de um apartamento. Elas nos salvam. No fim de semana passado, por exemplo, eu e minha filha colhemos jurubebas. Muitas jurubebas. Veja o resultado dessa colheita nas fotos que fiz. Tem até uma receita bem fácil e rapidinha de conserva de jurubeba.
E assim seguimos aguardando as surpresas que a vida ainda nos reserva.
E você? Como está sendo sua nova rotina? Você faz algum trabalho manual? Escreve? Cuida de plantas como eu?


Jurubebas colhidas em meu quintal

Folhas e frutos da jurubeba

Debulhando os cachos de jurubeba

Folhas e frutos


Fervendo as jurubebas

A conserva já pronta - Reaproveitei potes de geleia

A Conserva

Depois de debulhar e lavar as jurubebas, deixe de um a dois minutos em água fervente e jogue fora a água. Repita a fervura duas ou três vezes. O processo de deixar em água fervente é para amenizar o gosto amargo que as jurubebas têm. Depois de escorrer pela última vez, encha potinhos de vidro já esterilizados. Acrescente em cada pote uma colher de sal (colher de chá cheia), três dentes de alho (inteiros ou não), vinagre de sua preferência (nesta eu usei vinagre de maçã) e cubra com uma camada de óleo ou azeite. Depois de bem frio, guarde na geladeira e deixe alguns dias antes de usar. É para curtir e ficar com aquele sabor delicioso. 

Dedico essas conservas a duas pessoas queridas que amam muito jurubeba, minha mana Ana Rosa e minha sobrinha Marise. Quando a pandemia acabar, faço mais e levo pra vocês, se Deus quiser. 

Nota: Reutilizei potes de geleia. Geralmente faço nossas geleias, mas para variar com frutas nem sempre disponíveis, compramos algumas. Essas dos potes eram de framboesa e de amora.

------------

Clique na palavra jurubeba aqui embaixo e leia mais sobre essa plantinha usada em pratos típicos de Goiás e Minas. 

------------  

segunda-feira, fevereiro 23, 2015

Via Verde: Lírio-da-pérsia






Hoje deixo esse lírio e seus botões, sem muitas palavras. Valem por sua beleza. É o chamado lírio-da-pérsia.

---------------------- 

domingo, fevereiro 09, 2014

Via Verde: Gomeira, Uma Árvore Nativa do Cerrado

Post por nós publicado em novembro de 2012 no blog coletivo Terra, aquele abraço. Queremos acompanhar uma gomeira por um ano apesar do tempo escasso. Mas, quando a vontade é maior, o tempo apertado pode esticar, espero.  


Gomeira no início da floração - Foto feita em 02 de nov. deste ano

Foto do dia 15 de nov./2012

Foto de 15 de nov./2012

Gomeiras - Fotos de 02 de novembro

Gomeiras - Fotos de 25 de novembro

A Gomeira, árvore nativa do Cerrado, é também conhecida como goma-arábica, árvore-de-goma-arábica, gomeiro-de-minas, pau-d'água, pau-de-vinho, casca-doce, entre outros nomes populares. É da família vochysiácea, tendo como nome científico Vochysia elliptica(essa espécie das fotos). Há alguns anos vejo essa árvore de flores vistosas, mas nada sabia sobre ela. Dia 15 deste, clicando uma delas, conheci uma engenheira florestal,* que me informou seu nome. A partir daí minha pesquisa ficou bem mais fácil. Fiquei sabendo, por exemplo, que as gomeiras de Brasília são mais altas que as de outros locais do cerrado, sendo, em alguns lugares, apenas um arbusto; que medem entre 4 e 11 metros; que, assim como o eucalipto e a acácia, produzem goma, por isto chamada de gomeira, goma-arábica e árvore-de-goma-arábica e que da casca de seus frutos pode-se fazer lindas bijuterias.**   
  
 As Gomeiras das fotos deste post são das redondezas de Brasília. 
---------------
     
* Elisa, jovem Engenheira Florestal.
**Veja algumas bijuterias em: Yasaí Biojóias.
Veja também sobre a gomeira no site Árvores do Distrito Federal.

----------------------------------------------

segunda-feira, agosto 05, 2013

Via Verde: Flor sem Nome



Encontrei essa flor na Quadra 205 Sul, em Brasília. Duas coisas me chamaram a atenção: Flores de cores diferentes em uma mesma planta - branca e rosa viva - e suas folhas, bem diferentes de outras plantas com flores. Perguntei para o porteiro e alguns moradores do prédio mas não souberam me informar o nome dessa planta. Alguém conhece? 





------------------------------------

terça-feira, julho 30, 2013

Via Verde: Hibisco-dobrado




Hisbisco-dobrado rosa. Veja também neste blog: Colorindo a Vida com Hibiscos e Hibiscos.

--------------------------

segunda-feira, julho 22, 2013

Via Verde: Orquídeas Exóticas (III)

Estas são algumas orquídeas do gênero Paphiopedilum, conhecidas como sapatinho, orquídea-sapatinho, sapatinho-de-dama. Todas essas fotos, como já dissemos nos posts anteriores desta série, foram feitas na última exposição de orquídeas no Jardim Botânico de Brasília.











Uma ótima semana com orquídeas ou outras flores enfeitando seu dia a dia!

-----------------------------