Mostrando postagens com marcador Chuvas em Brasília. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Chuvas em Brasília. Mostrar todas as postagens

domingo, fevereiro 24, 2013

Via Verde: Folhas, Águas e Sereia




Choveu
Uma água clara e fria lavou meu tronco, minhas folhas e flores


Frutifico


E me torno


Sereia


----------------------------


Folhas, Águas e Sereia

Choveu
Uma água clara e fria
Lavou meu tronco
Minhas folhas e flores
Frutifico
E me torno
Sereia


------------------

Notas: 1- As folhas fotografadas são de pés de Pitanga e de Acerola. 2- Texto escrito e publicado neste blog em 2010, depois de uma chuva fina de veranico de janeiro. Veja mais fotos de folhas molhadas em: Folhas, Águas e Sereia de 2010.

----------------------------------------

quarta-feira, janeiro 30, 2013

Via Natureza: Chuva em Serenata



Acordei com uma chuva fina caindo, no meio da noite. Eram acordes perfeitos, desses que nos embalam, com pingos nas folhas, nas calçadas, nas poças d'água, formando uma harmoniosa serenata tocada pela natureza.

Chove há mais de um mês aqui em Brasília. Chuvas com ventania, dessas de arrancar árvores; chuvas com raios e trovões, para assustar mesmo, e chuvinhas  'chove não molha' que não acabam, dia e noite, noite e dia...

Chuvaradas, chuvas, chuvinhas. Pinga aqui, pinga ali, pinga aqui, pinga ali, pinga mais forte, pinga devagarinho... E de pingo em pingo o dedilhar da natureza acorda acordes dignos de uma serenata de amor. Amor por você, amor por aquela plantinha que está com falta d'água, amor pelos animais, amor pela vida deste/neste  planeta.

Foi uma chuvinha assim, bem pinga pinga que embalou a madrugada de hoje dos brasilienses. Bem gostosa, com um friozinho que fez dormir... e sonhar.

-----------------------------------

terça-feira, setembro 27, 2011

Via Verde: Série Orquídeas - 6: Brassia

O gênero Brassia  foi a orquídea escolhida para hoje por suas singulares características, bem diferentes e com algo que a difere dos outros gêneros, por possuírem sépalas* e pétalas alongadas e delgadas, parecendo pernas de aranha, daí ser conhecida como orquídea-aranha. Possui cerca de 30 espécies. A que mostramos aqui, em fotos que fizemos no Orquidário Hildéia, na Central de Flores do Ceasa de Brasília, é a Brassia rex. As duas primeiras fotos são do dia 21 deste e a última, também feita no mesmo local, é de janeiro de 2010. Veja mais fotos, neste blog, em: Orquideas Verdes Pintadinhas. Ver mais informações sobre o gênero Brassia em: http://www.orchidflowerhq.com .

Brassia rex - 1

Brs. Rex - 2

Brs. rex - 3
------------

*Sépalas: Folículos que ficam abaixo da corola, geralmente verdes.

-------------

 Chuvas, abençoadas chuvas

Até que enfim choveu por aqui. Ontem, por volta de 2:00 horas da manhã, depois de 106 dias sem uma gotinha de chuva e já com a umidade relativa do ar variando entre 14 e 10 graus, veio a tão esperada chuva. Choveu a manhã toda e uma parte da tarde. Hoje o clima está bem melhor. Abençoadas chuvas.

-------------------------------------------

quarta-feira, agosto 26, 2009

Via Natureza: A Borboleta Azul - 2



Trabalhamos durante este mês com o tema azul. Foram três flores e um pássaro azuis; hoje trazemos uma borboleta. É uma reedição do dia 23 de setembro de 2008. Dois motivos nos levaram a reeditar esse post: Primeiro, a cor da borboleta. Segundo, o período de estiagem do ano passado. Vejam, nele falamos sobre a grama seca pela falta de chuva. Estávamos no final de setembro! Este ano, Graças a Deus, as chuvas apareceram mais cedo. Hoje está chovendo.

Confiram o que escrevi em 2008:
...
Recentemente temos visto bons filmes nos canais de televisão. A Borboleta Azul é um deles. É baseado em um fato da vida real. Conta a história de uma criança com câncer, sem esperança de sobrevivência. Ele - é um menino - sonhou com uma borboleta azul e queria porque queria ver uma. Um amigo, professor de botânica, levou-o a uma floresta tropical para procurarem a rara borboleta.
Depois de muitas aventuras correndo atrás de borboletas, o menino consegue realizar seu sonho. Diz o filme que o menino ficou curado, com exames que comprovaram isso. É a fé colocada em prática. No caso, a fé na cura, mesmo tendo como agente motivador uma simples, porém linda, borboletinha.
Terminado o filme, todos que o viram comigo, entre eles duas jovens, não se cansaram de elogiá-lo. E tinham visto 'sem pestanejar', não perdendo um só minuto.
Conclusão: Não é preciso tiros, lutas, explosões, mortes ou efeitos especiais distorcendo a imagem, para que um filme conquiste o público. Nota dez para a história, nota dez para a fotografia e dez multiplicado por dez para o retorno aos bons filmes.














Nota: Estas três fotos (na verdade duas, porque a primeira foto é a mesma da última) foram tiradas no último dia 14, dois dias depois do filme. É uma linda e minúscula borboleta azul achada por minha filha, na grama seca de nosso jardim. (A grama está seca pela falta de chuva.)"

----------

Notas: 1- Por que agosto tem que ser visto sempre como 'um mês ruim'? Escolhemos a cor azul para este mês justamente para tentar mudar essa visão distorcida e preconceituosa. 2- No post Onde estão as chuvas de agosto? falamos sobre o período de estiagem cada vez mais prolongado. O ano passado, como prova nosso post de setembro, foi terrível! Para nossa sorte este ano foi bem melhor. Sexta-feira, dia 21, caiu a primeira chuva aqui em Brasília. Viva o sol, mas também, viva a chuva.

------------------------