Mostrando postagens com marcador Fotos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fotos. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, setembro 23, 2013

Via Natureza: Plante uma Árvore nesta Primavera



Foto: Fizemos esta foto em Goiânia, quando passávamos em frente ao Jardim Botânico, perto da BR 153. Uma mão aparece como se a imagem sugerisse algo, por exemplo, a proteção das matas
ou ainda mais, como se estivesse protegendo as árvores. Deve ser o reflexo de minha mão no vidro do carro, segurando a câmera, não sei. Em todo caso, ficou parecendo uma montagem. Foi no final de agosto deste ano. É a primeira foto assim feita por mim. E olha que geralmente faço centenas por mês. Uma vez, há muitos anos, em Londres, apareci duas vezes em uma mesma foto. Foi um clique (ou dois?) de meu marido - a foto está em meu perfil do Facebook, em uma das imagens de capa. O processo parece ter

domingo, junho 03, 2012

Via Natureza: Borboletas de meu Jardim


"Disse a flor para o pequeno príncipe: é preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas." (Antoine de Saint-Exupéry).

-----------------------------

sábado, março 31, 2012

Via Mensagens: Amanhecer



O passarinho, observando o dia amanhecer, deve estar cantarolando os versos de Chico Buarque...

-----------------------------------

quinta-feira, março 22, 2012

Via Mensagens: Dia Mundial da Água

Água: Em um abraço em ti mergulho...  

Brinco...
E me lavo, corpo e alma...

Água é Vida
De minha vida, de tua vida, de nossas vidas

------------

Fotos: Lago Paranoá. Fiz essas fotos no início deste mês, em Brasília, na Ermida Dom Bosco.

----------------------------------- 

quarta-feira, agosto 12, 2009

Via Músicas Que Ficam: Súplica, de Júnior Nardelli

Nascente

A música Súplica, de Júnior Nardelli, nos fala sobre a importância da preservação da água. Transcrevemos abaixo a letra.

SÚPLICA

Junior Nardelli

Sou eu que banho a esperança
da semente virar fruto ou flor
Sou eu o frescor da criança
tão inocente com medo do calor
Sou eu que me escondo no manto
No ventre da terra e seco o sertão
Sou eu que do céu tombo em canto
Aliviando a pobre população
Sou eu correndo na calçada
Descendo a rua sem direção
Sou eu frágil e abandonada
Sempre jogada na escuridão
Sou eu que desenho o arco-íris
Quando me encontro com o sol de verão
Mãe Iara, eu te suplico: minha mãe!
Mãe Iara, não deixe que acabem comigo, minha mãe
Mãe Iara, minha mãe é mesmo assim
Que pena o homem não percebeu que não viverá sem mim.
Para ouvir e/ou fazer o download da música, veja o site: http://www.uniagua.org.br/
-----------------------