Mostrando postagens com marcador Poemas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Poemas. Mostrar todas as postagens

sábado, setembro 25, 2021

Cantata serenata

 Chuva Fina


Choveu! Choveu, gente! Choveu em Brasília! Uupiii!!!


Enfim a chuva veio. Chegou dia 24 de setembro, mas chegou.


Ontem anoiteceu chovendo. Primeiro, uma chuva forte. Depois uma chuva pinga-pinga, dessas de cantar cantarolando e ninando em serenata, bem baixinho. 


Foi uma alegria geral. 


Agora, sim, o cansaço vai embora.  Ninguém tinha mais disposição pra nada. Era só calor e seca. Parecia que o mundo estava em fogo.  


A chuva veio e trouxe risos, cantos. Nem a luz indo embora abalou nossa alegria.  Sim, aqui é assim. A energia tem medo de chuva. É só trovejar que a eletricidade dá no pé. 


Pois é, choveu. Agradecemos rindo e cantando. Minha filha até leu um poema, quando a chuva já estava fininha, aquela chuvinha de serenata. É o poema “Chuva fina” de meu livro “Letras Falam”. 


E você, gosta de dormir com uma chuva fina? Aquela chuvinha de serenata? Conta aqui! E na próxima chuva fina, a noite, cante e leia poemas para as gotinhas que caem na calçada, nas janelas, nas folhas. Cada pingo, um som. Como uma orquestra tocando baixinho. Cante também. A natureza agradece trazendo uma brisa bem gostosa, para um sono ainda melhor. 


Minha filha trocou uma palavra, sem querer. Você consegue descobrir qual foi a palavra?



Poema “Chuva Fina”, na voz de Rafieh Panah 



Uma ilustração do livro “Letras Falam - Poemas (Ilustradora: Nina Cordeiro). 





Leia o livro Letras Falam - Poemas em:


—-——-

Agradeço de coração a todos que por aqui passam. Já ultrapassamos um milhão e mil visualizações. Obrigadaaaaa!!!!!!!
 🙌🏼🙏🤗🙏🙌🏼🙏🤗🙏







sexta-feira, setembro 03, 2021

Certificado de Reonhecimento do Literatura já




Existe um espaço amante da literatura, onde sua idealizadora declama poemas e lê crônicas, contos e outros textos literários com muita sensibilidade e, nota-se, com amor e carinho pelo que faz. 

Literatura já, coordenado pela escritora Joyce Nascimento está no YouTube, no Spotify, no Instagram e outros locais, apresentando a cada semana o trabalho de diferentes autores. Neste mês de setembro tenho a honra de ser uma das participantes, ao lado dos escritores Adriana Manduco, Daí Darc, Leonardo Davino e Reinaldo Fernandes. 

Gratidão é o que sinto 🙏

Poema O Tempo, de Luísa Nogueira 

Voz: Joyce Nascimento https://www.instagram.com/nasci_joyce/ Produção: jogogplay https://www.youtube.com/c/jogogplay Canal Literatura já! 

 https://www.instagram.com/literatura.ja/





segunda-feira, outubro 17, 2011

Via Versos: Metamorfose


No balançar lento do tempo
Em alguma árvore
Em alguma folha
Um casulo
Metamorfoseado acorda
Crisálida - ninfa da vida

No transformar do hoje
No transformar do agora
O casulo
Já cansado e sem forças
Resurge em um arco-íris de cores
Ser alado - borboleta multicolorida

No dançar lento das águas
Em meio à imensidão dos mares
Em algum lugar negro e tranquilo
Nas entranhas de uma concha
Surge uma gota-raio de luz
Madrepérola - nácar róseo da vida

No transformar do hoje
No transformar do agora
A madrepérola
Envolta em finas camadas de nácar
Resurge em uma jóia rara
Pérola neta - perfeita e pura

No balançar e dançar do vento
Ou na inércia aparente do tempo
O transformar da vida
Casulos
Madrepérolas
Seres alados
Pérolas netas

-----------------------------------------

segunda-feira, agosto 01, 2011

Via Versos: Quando o Vento me Levou

O sopro de uma brisa passou
Balançando, balançando me levou
Teus braços me abraçaram
Em um embalo me ninaram

Quando o vento me levou
O teu corpo me abrigou
Como a melodia do acalanto
De um ninar em canto 

Quando o vento me levou...

---------------

Vimos durante alguns dias essa pena de pássaro em nossa mussaenda-vermelha. Com ela veio a inspiração para esse pequeno poema, sem nenhuma pretensão literária. Ele poderia figurar na Via Natureza ou na Via Vida.  É a vida na natureza; é a vida também imitando a natureza.

-------------------------------

quinta-feira, agosto 14, 2008

Via Versos: Quero Ser



Quero Ser

Quero ser um céu sem nuvens
Para o mundo nele voar
E nos sonhos idealizados morar

Quero ser um mar azul
Para nele o mundo navegar
E no encontrar viajar

Quero ser um hino de vitória
Para ele o mundo cantar
E a Paz comemorar

Quero ser o querer e o poder
Para no mundo o afeto espalhar
E no amor brotar e frutificar

------------------------
...
Escrevi ontem, viajando... entre uma cidade e outra. Não importa o nome das cidades. O importante é que estava "na estrada", me direcionando a algum lugar deste nosso planeta.
....
.....
------------------------

segunda-feira, fevereiro 11, 2008

Via Natureza: Esponjinha ou Caliandra do Cerrado



Esponjinha  ou caliandra do cerrado - Foto tirada em julho de 2007 no Zoológico de Brasília-DF.

Errata: Não sei por qual motivo (talvez pressa, quem sabe) a foto acima não saiu na postagem de sexta-feira passada junto com a mensagem de bom weekend. Mas, nunca é tarde para se apreciar o belo, não é mesmo?

Como em todo erro aprendemos; fiz esses versos:

Há tempo para brincar e há tempo para trabalhar
Há tempo para errar e há tempo para consertar
Há tempo para sonhar e há tempo para viver
E no sonhar e viver há tempo para amar


--------------------------------------------------