Mostrando postagens com marcador Lydia e suas receitas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lydia e suas receitas. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, junho 11, 2008

Via Vida: Lydia (4 de 7): Lydia e suas Receitas





Lydia e suas receitas



Minha mãe tinha uma mão boa para cozinhar. Seus temperos eram famosos. Quantas vezes a vi fazendo "complementações" para os aniversários de amigos. Eles lhe pediam para fazer um ou outro salgado e ela nunca dizia não, sempre os ajudava e se orgulhava disso.

Na época em que morávamos em Pedro Afonso, não existia padaria por lá, como na maioria das cidadezinhas do interior brasileiro daquela época. Os pães eram substituídos por bolos feitos por donas de casa chamadas de boleiras. Essas mulheres, geralmente casadas ou viúvas, sustentavam assim suas famílias. No forno e fogão trabalhavam de sol a sol, ou melhor, de sereno a sereno. Levantavam lá pelas quatro horas da madrugada para estarem com os bolos já prontos às seis horas. Era a partir desse horário que as pessoas iam comprar o acompanhamento do café com leite da manhã. Bolos de mandioca, bolos de farinha de trigo de diversos sabores, cuscus, tapioca e outras delícias. Tapioca era chamada por lá de beijú. O cardápio da maioria das famílias não variava muito. Chá? Ora, ora, estamos falando da classe média do interiorzão brasileiro do século passado. O café da manhã era esse: café com leite acompanhado com bolo ou cuscus ou mesmo beijú. Quando não feitos em casa, as 'massas' eram compradas das boleiras. Hoje olhando e fazendo um recorte daquela época admiramos ainda mais essas bravas e valentes mulheres. Tinham uma dupla jornada começada quando todos ainda dormiam. Ajudavam no orçamento familiar e trabalhavam em casa lavando, passando e cozinhando para o marido e os filhos. Sentiam-se felizes quando não havia as brigas rotineiras dos companheiros. Muitas enfrentavam maridos grosseiros e alcoólatras.

Se dependesse de nós essa pessoa quase nada ganharia. Era raro o dia que precisávamos de suas guloseimas. Minha mãe deixava sempre cheio nosso estoque de biscoitos - doces e salgados.

Ainda me lembro como hoje: havia uma mesa enoooorme em nossa copa. Pelo menos é assim que guardei em minha memória de criança de dois ou três anos. Toda semana essa mesa era coberta por uma toalha bem branquinha e... recheada de todo tipo de biscoitos, bolos e doces. Que ficavam ali, cobertos por uma outra toalha, esperando esfriar para serem armazenados em grandes latas.

Enquanto isso...bem, enquanto esfriavam, meus irmãos mais velhos, ter-ri-vel-men-te sapecas, ficavam 'espiando' em outra sala. Quando minha mãe ou sua ajudante davam as costas... dá para imaginar o que aprontavam, não é? O pior era quando me mandavam pegar os bolos. Sempre me colocavam em enrascadas. Quando minha mãe nos pegava, dizia:

-Agora não pode! Faz mal comer bolo quente!

Ela não sabia que o gostoso era comer quente e... escondido.

As receitas que editarei aqui são bizarras, mas representam bem o humor e o jeito de ser de minha mãe.


Duas receitas

Uma, Caça à moda indígena, que ela nos contava quando falava maravilhada sobre suas andanças pelas aldeias indígenas, quando era solteira. A segunda, preparava de vez em quando para nosso lanche da tarde, servida junto com uma gostosa xícara de café com leite.
  1. Caça à moda indígena
Esta receita é feita em um buraco... cavado na terra!

Ingredientes:
- Pedaços grandes de mandioca
- Caça (não me perguntem qual, por favor)
- Folhas de Bananeira
- Sal e temperos a gosto (não sei se os índios usavam; vou pesquisar)

Modo de Fazer:
- Cavar um buraco, reservando a terra ao lado.
- Forrar com folhas de bananeira.
- Ir alternando caça (já temperada?), mandioca e as folhas de bananeira, terminando com esta.
- Cobrir com a terra retirada.
- Fazer uma fogueira com lenha suficiente para se ter uma boa brasa.
- Deixar o assado 'cozinhando' toda a noite.
Parece que era uma receita de festa. Os índios faziam para receber seus visitantes mais queridos. Segundo minha mãe, é um prato muito saboroso.

++++++++++ ++++++++++

2. Orelha de Macaco

Não, não... Não se espantem! Caaalma! É apenas o nome. Nada a ver com nossos queridos macaquinhos.
Acho que esse nome foi invenção de minha mãe. Devia ser mais um carinho para com seus pequenos nos finais de tardes. Também vou tentar saber se essa 'delícia' era mesmo chamada assim.

Ingredientes:
- Alguns ovos
- Maizena
- Leite
- Açúcar
- Óleo para fritar

Modo de Fazer:
Misturar os ingredientes, formando uma massa mole, quase líquida. Numa frigideira com óleo quente, ir colocando uma colher da massa de cada vez. Por causa da amido de milho, ela vai ficar meio enrolada nas pontas, parecendo mesmo uma 'orelha'. Deixar mais ou menos um minuto e virar. Retirar com uma escumadeira e colocar em papel absorvente. Caso queira, salpicar canela em pó.

Nota: Apesar de ser fritura, nenhum de seus filhos ficou obeso, nem mesmo 'fofinho'.

--------------------------