Mostrando postagens com marcador Mulheres que escrevem. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mulheres que escrevem. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, abril 26, 2021

O melhor presente para o Dia das Mães



Dia das Mães 


No Dia das Mães faça diferente. Dê para sua mãe algo que estimule sua memória e sua criatividade. Livro é o melhor presente. 


Livros são viagens de entretenimento, diversão e algo encontrado somente na leitura: a magia da sintonia com pessoas, culturas e lugares. Quem lê sempre aumenta seu conhecimento.


Quer mais motivos para transformar seu presente em uma lembrança especial? Adquira livros com assuntos de interesses de sua mãe. 


Uma dica: O livro Balbúrdias na Quarentena não é apenas um retrato da pandemia no Brasil. Ele é um livro de leitura participativa, ou seja, ele vai além da leitura. A autora convida o(a) leitor(a) a participar de sua experiência como observadora do mundo ao seu redor, com uma linguagem bem simples. 


Veja a sinopse do livro Balbúrdias na Quarentena em: 

Balbúrdias na Quarentena ⋆ Loja Uiclap


Ou em:


https://loja.umlivro.com.br/balburdias-na-quarentena-5560489/p


.

.

.

E aí, gostou da ideia? Marque nos comentários uma pessoa que também precisa saber qual é o melhor presente para o Dia das Mães. 

.

.

.

#diadasmães #livroéomelhorpresente

sexta-feira, abril 02, 2021

Livro Letras Falam





Letras Falam é um livro de poesia. São poemas retratos de vidas e de sonhos.  

Letras Falam é de autoria de Luísa Nogueira, com capa de Sergio Ricciuto Conte, ilustrações internas de Nina Cordeiro e diagramação de April Kroes. 

Letras Falam fala com você com uma linguagem atual e simples.

Ler faz bem e sempre é o melhor em toda e qualquer situação. Livros trazem conhecimentos, lazer e cultura. 




Leia grátis em seu Kindle, ou adquira pelo  preço de um cafezinho. Dê um clique e tenha um livro ilustrado para alegrar olhos, mente e coração. 

Faça um pix e leia Letras Falam agora. Clique aqui





Letras Falam desnuda o  mundo à nossa volta e mostra que  a vida pode ser bem melhor: 




Viva melhor, leia mais. Clique e leia!

 













Leia grátis pelo Kindle ou adquira Letras Falam com um preço simbólico por aqui:


#lerfazbem
#incentivoàleitura


quinta-feira, novembro 26, 2020


 Mais um trechinho do livro. Gostou? Logo ele será todinho teu.

Obs.: Só falta uma palavra do título. Qual será? Acompanhe para descobrir.

domingo, fevereiro 07, 2016

Via Vida: Um Leque




Um leque. Uma moça com um leque. Uma moça, tatuada e com um leque. Uma moça, em um ônibus, tatuada e com um leque. Uma moça, em um ônibus, sentada em minha frente, com uma tatuagem e um leque.

A moça do ônibus não sabe. Ela não sabe que seu leque passageiro trouxe lembranças de outros leques. Muitos leques. Estilos diferentes de leques. Orientais, nacionais, de tecidos, rendas e até em forma de abano, feito com palha de coco.

Foi em setembro, naqueles dias de muito calor. Em setembro, uma moça, no ônibus, um leque balançava. O leque, acenando, ia e vinha. Cenas flutuavam no vai e vem do sopro do leque e lembranças evocavam. O sopro do leque se fez brisa e a brisa me levando me fez voar. Eu voando, no vai e vem do leque, vi. Eu vi!

Vi minha mãe sentada com seu leque azul. Com seu leque rosa rendado. Com seu leque lilás. Com seu leque-abano, feito com palha de coco. Com seus muitos leques minha mãe se abanava e o sopro da brisa acariciava sua face suave.

A moça do ônibus balançava seu leque, mas a mão já não era sua. Minha mão balançava o leque. Minha mão, indo e vindo, desenhava sorrisos no rosto amado de minha mãe. Vi outras mãos - de minhas irmãs, de minha filha... Outras mãos iam e vinham, abanando, abanando. Abanando e refrescando o tempo de minha mãe no tempo conosco vivido. 

Vai e vem; vem e vai. O vai e vem do leque é o tic-tac do relógio. No ritmo. O significado, a essência, é diferente. O leque leva o tempo em brisas que passam de cá pra lá, de lá pra cá. O relógio leva o tempo pra lá. Pra lá, pra longe. O relógio diz que vai pra lá e pra cá, tic-tac, tic-tac, mas o tempo do relógio só vai. O tempo do leque é o sopro do vento. Ele vai pra lá e volta pra cá. 

Eu vi. Vi o leque de minha mãe. A moça do ônibus, sentada em minha frente, tinha a tattoo de um pequeno pássaro voando. A moça do ônibus o tic-tac levou. O passarinho, no tempo da brisa do leque, voando, voando, um segredo me contou. O segredo do amor o passarinho me contou e um leque em minha mente tatuou. Um leque colorido o passarinho tatuou. Colorido com todas as cores, como as lembranças vindas no vai e vem das brisas do sopro do tempo do leque.

Eu vi. Vi o leque de minha mãe. E com o segredo de amor, o leque em mim tatuado ficou.


Minha filha com catorze anos fazendo pose com o leque-abano de sua avó
--------------

Miniconto baseado em fatos reais.

-------------------------------------

terça-feira, julho 22, 2014

Via Versos: Cores da Esperança




Cores da Esperança

Quando andei
Vi que não havia
Nenhum muro
No horizonte

Quando andei
Vi as cores
Da luz
Da esperança 


Dedico esses versos para você, amigo/amiga, que por aqui passa. 

-------------------------------

domingo, setembro 01, 2013

Via Versos: Vi no Fundo do Mar



Quando
me
procurar
escondida
estava
no
fundo
do
mar

Entre seres que voam
Sem asas precisar
Em deslizantes bailar
Vi céus só azuis
Sem nuvens
Vi jardins dançarinos

Quando

domingo, abril 21, 2013

Via Vida: Pater

 



No início do século passado havia um casal em uma pequena cidade do interior maranhense. Eles tinham muitos filhos, como era normal naquela época. Um deles se destacava dos demais, desde molecote. 

O menino era de pensamento rápido, brincalhão, serelepe mesmo. Porém, gostava de estudar e passava horas escrevendo poesias e lendo todos os livros que lhe caíam nas mãos. Apesar desse diferencial em relação aos outros, era querido e amado por todos. 

Viviam dizendo que ele iria ser padre, pois era prestativo, gostava de ajudar seus amigos, sua família e as pessoas à sua volta. Cresceu ouvindo isto. Ser coroinha e seguir por essa trilha imaginada para ele, não seria surpresa para ninguém. 

Imaginada para ele, não por ele. O que ele admirava mesmo – e inconscientemente desejava - estava bem longe desse caminho, em um sentido totalmente oposto. 

Não se via fechado, isolado e fazendo sermões. Achava bonito uma família grande, com uma escadinha de filhos, exatamente como a sua. 

Achava ainda mais bonito quando saía e via cabecinhas de cabelos longos em delicados vestidos românticos. Aí, já viu, o moleque se derretia todo. Perdia a noção do tempo ao ver as meninas passando por ele. Quando conversava com alguma delas que lhe dava arrepios, passava noites e noites sonhando.

Dico era o apelido do garoto. Na verdade, ele iria fazer o seminário por falta de opção. Nas redondezas de sua cidade nada se comparava ao ensino ali dado e seus pais não podiam lhe pagar um colégio na capital. Ouvia que para ser padre era necessário estudar muito, além de teologia, ciências sociais, línguas, tinha até latim. Sim, os seminários antigos ensinavam latim a seus alunos seminaristas, por uma razão especial: as missas eram ditas em latim. Logo, os padres deveriam estudá-la.   

Como seria bom aprender uma língua raiz de muitas outras, o jovem pensava e ao mesmo tempo ficava intrigado sobre as missas serem em latim. Dizia: - As missas são tão bonitas, ficariam bem melhores se os padres pudessem falar sem se esconderem atrás de uma língua incompreendida por todos. 

Perguntas e questionamentos não tão relevantes quanto as saias usadas pelas meninas de seu tempo. Ah! As meninas! Elas que eram importantes e não saíam de sua cabeça. Teria que deixar de lado as serenatas que fazia com seus amigos? Ora, o que iria aprender no seminário valia a pena, achava.

Foi para o seminário e logo de cara gostou e até se entusiasmou com as matérias. Eram muitas mas isso não o assustava, gostava mesmo de estudar. Logo se viu como o primeiro aluno em latim. As missas eram ditas nessa língua morta, berço das línguas indo-europeias. Com uma boa dicção e falante como ele só, nos primeiros anos já era visto ajudando a dizer missas. As primeiras que ajudou a celebrar se sentiu no céu, voando como um anjinho. Sim, estava no lugar certo, deduzia já se vendo um padre, até que...

Até que as férias chegaram. Casa, amigos, festas... Aquela linda mocinha continuava flertando com ele. Uma saidinha não faria mal algum, só uma...

- Aproveite a vida enquanto pode Dico, diziam seus amigos.

- É verdade, tenho que namorar agora. Depois, como padre, acabou-se... E assim foi pensando, levando e ficando.

Um ano, dois anos, três anos entre seminário, casa, amigos, festas, meninas. "Que la vie est belle!", falava com uma pontinha de orgulho mostrando para as garotas que aprendera francês. 

Mas um período de descanso com sua família. As roupas de antes quase não lhe serviam mais.

- Como cresceu e ficou bonito, falava sua mãe.  
- Esse menino vai dar trabalho, retrucava uma tia. 

"O trabalho" era porque a porta de sua casa virava uma passarela de moçoilas olhando de rabo de olho as janelas da casa. Quando o viam desviavam o olhar, sorriam, com as mãos na boca, olhando umas para as outras.

Mais uma volta ao seminário. Quase terminando o primeiro semestre recebeu uma visita. Ficou tenso, pálido, amedrontado. Com as mãos entre a cabeça ficou zanzando de um lado para o outro. "Vou ser padre?", repetia meio tonto sem saber bem o que falava. 

A notícia    

Recebeu a notícia que seria padre, antes de se ordenar padre, logo depois de uma aula de latim, no seminário, claro. Os pensamentos de Dico ficaram como ponteiros desgovernados, pra lá e pra cá, pra lá e pra cá, numa confusão de dar dó. Destino cruel! Padre? Pater? E o latim se misturava em sua cabeça. Pater, pátre, patris, patre, patrem; patres, patres, patrum, patribus, patribus, patres...  Iria ser padre? Iria ser pater? Pater-padre? Pater-pai? Sim, sim, padre, pater, pai! Pai? Pa... pa... pai? Não, não. Já estou usando batina, dizendo missas. Como posso abandonar tudo justamente agora! Caso lá? Descaso aqui? Uma luz, uma luz! Caso ou descaso? Abandono lá ou abandono aqui?  Abandono aqui, abandono aqui, abandono aqui, repetia, repetia, repetia.

Não abandonou. Ficou se remoendo, com a consciência doendo, dizendo a si mesmo que se casaria logo que completasse, pelo menos, seu curso de línguas.

Não casou. Foi um bafafá só. Afinal, a palavra pai não era usada também para se referir a padres? Assim, Dico foi pai-pater antes de ser pai-padre.

Tempos depois Dico rasgou a batina e tirou da rotina o latim. Foi dizer missas em outras línguas para outros fiéis. No ouvido de devotas de Santo Antônio. Casou-se, ficou viúvo, mas não desistiu, casando-se novamente. Dico não nos legou apenas uma escadinha; deixou para a posteridade uma imensa e mágica escada rolante. Filhos, netos, bi, tri... Degraus que rolam e se enrolam... Enrolam e se desenrolam, multiplicando-se como num passe mágico a cada geração, pois Dico foi pater mais de duas dezenas de vezes.

-----------------------

Nota: Atualmente em adaptação para o cinema, “Pater” é um conto de uma trilogia que escrevi há alguns anos, baseada em uma história real. Toda e qualquer semelhança a um ilustre familiar, não é mera coincidência.

--------------------------