Mostrando postagens com marcador Via Vida. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Via Vida. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, novembro 04, 2020

Voltamos ao Blog Multivias

 


Bom dia, gente amiga!

Como muitos de nossos amigos blogueiros, fiquei alguns anos fora, 'curtindo' redes sociais. E postando também, afinal não vivemos sem ler e muito menos sem escrever. 

Muito água rolou nesse tempo. No campo político houve uma reviravolta terrível, no Brasil e no mundo. A natureza também se revoltou com tantas ameaças ao seu equilíbrio. 

Vivemos dias nunca imaginados, mesmo nos piores pesadelos. Isolados em casa, com medo de sair nas ruas, fizemos da quarentena um novo modo de vida. Aliás, de sobrevivência, esperando a pandemia chegar ao fim com a chegada de uma vacina capaz de imunizar as pessoas contra a Covid-19. 

Cientistas de todos os países trabalham dia e noite, equipes se revezam, a Ciência está no foco da esperança. 

De casa assistimos o mundo despencando. Reuniões? Só se forem on-line. Adeus festinhas de aniversário com abraços de amigos e até mesmo de familiares. Adeus amigos dos finais de semana, adeus bares, praias, almoços com convidados. 

Adeus à vida? Não, ainda há esperança. E agora, mais do que nunca, esperança de um mundo melhor para todos. Somente assim a Terra sobreviverá. Há pesquisas em todas os campos, na tentativa de se encontrar soluções sustentáveis na alimentação, na moradia, na economia, no meio ambiente e na área social. Nesta última encontra-se o maior desafio, o mundo cresceu desordenadamente, explorar recursos naturais e seres humanos foi algo normal. 

Engenheiros, arquitetos e designers de interiores buscam interagir elementos da natureza em construções pensadas de acordo com o clima da região, com a localização do sol, com o aproveitamento da luz natural, com a aerodinâmica da própria natureza. Buscam soluções com menos consumo de produtos industrializados, e soluções com menos desperdício e menos lixo.

Com todo esse panorama, é a vez de todos nós, blogueiros, escritores, comunicadores, influenciadores, nos darmos as mãos, levando informações, adquirindo e compartilhando conhecimentos. 

O mundo pós pandemia vai precisar de nosso apoio. Vamos lá, blogueiros? 

------------

Solidariedade

Se solidariedade é amizade / Uma sociedade solidária / É uma sociedade amiga (Luísa Nogueira)

-------------

Nota: Agradeço a todos que passaram e passam por este blog, mesmo sem atualizações durante tanto tempo. Quase um milhão de visualizações. Não é pouco, minha gente. Muito, muito obrigada! 💓💋💓

------------


Acompanhe este blog e nossas redes sociais.


Instagram: @luisanogueiraautora

Para acessar minha página no Instagram, aponte a câmera de seu celular para a tag de nome abaixo:



















Facebook: Luísa Nogueira 


Pinterest: Luísa Nogueira 


#naturezaemfotosluisan 


-----------


Este blog foi criado com vias direcionadas ao meio ambiente (natureza, sustentabilidade, vida) e desde sua criação citamos e falamos sobre livros. Confira e navegue entre os posts das principais vias:



--------

 

Confira também a página Livros de Luísa Nogueira

——-

domingo, fevereiro 07, 2016

Via Vida: Um Leque




Um leque. Uma moça com um leque. Uma moça, tatuada e com um leque. Uma moça, em um ônibus, tatuada e com um leque. Uma moça, em um ônibus, sentada em minha frente, com uma tatuagem e um leque.

A moça do ônibus não sabe. Ela não sabe que seu leque passageiro trouxe lembranças de outros leques. Muitos leques. Estilos diferentes de leques. Orientais, nacionais, de tecidos, rendas e até em forma de abano, feito com palha de coco.

Foi em setembro, naqueles dias de muito calor. Em setembro, uma moça, no ônibus, um leque balançava. O leque, acenando, ia e vinha. Cenas flutuavam no vai e vem do sopro do leque e lembranças evocavam. O sopro do leque se fez brisa e a brisa me levando me fez voar. Eu voando, no vai e vem do leque, vi. Eu vi!

Vi minha mãe sentada com seu leque azul. Com seu leque rosa rendado. Com seu leque lilás. Com seu leque-abano, feito com palha de coco. Com seus muitos leques minha mãe se abanava e o sopro da brisa acariciava sua face suave.

A moça do ônibus balançava seu leque, mas a mão já não era sua. Minha mão balançava o leque. Minha mão, indo e vindo, desenhava sorrisos no rosto amado de minha mãe. Vi outras mãos - de minhas irmãs, de minha filha... Outras mãos iam e vinham, abanando, abanando. Abanando e refrescando o tempo de minha mãe no tempo conosco vivido. 

Vai e vem; vem e vai. O vai e vem do leque é o tic-tac do relógio. No ritmo. O significado, a essência, é diferente. O leque leva o tempo em brisas que passam de cá pra lá, de lá pra cá. O relógio leva o tempo pra lá. Pra lá, pra longe. O relógio diz que vai pra lá e pra cá, tic-tac, tic-tac, mas o tempo do relógio só vai. O tempo do leque é o sopro do vento. Ele vai pra lá e volta pra cá. 

Eu vi. Vi o leque de minha mãe. A moça do ônibus, sentada em minha frente, tinha a tattoo de um pequeno pássaro voando. A moça do ônibus o tic-tac levou. O passarinho, no tempo da brisa do leque, voando, voando, um segredo me contou. O segredo do amor o passarinho me contou e um leque em minha mente tatuou. Um leque colorido o passarinho tatuou. Colorido com todas as cores, como as lembranças vindas no vai e vem das brisas do sopro do tempo do leque.

Eu vi. Vi o leque de minha mãe. E com o segredo de amor, o leque em mim tatuado ficou.


Minha filha com catorze anos fazendo pose com o leque-abano de sua avó
--------------

Miniconto baseado em fatos reais.

-------------------------------------

------------


Acompanhe este blog e nossas redes sociais.


Instagram: @luisanogueiraautora

Para acessar minha página no Instagram, aponte a câmera de seu celular para a tag de nome abaixo:



















Facebook: Luísa Nogueira 


Pinterest: Luísa Nogueira 


#naturezaemfotosluisan 


-----------


Este blog foi criado com vias direcionadas ao meio ambiente (natureza, sustentabilidade, vida) e desde sua criação citamos e falamos sobre livros. Confira e navegue entre os posts das principais vias:



--------

 

Confira também a página Livros de Luísa Nogueira

——-

terça-feira, março 03, 2015

Natureza e Sociedade


Há muito nosso planeta pede que o olhemos com mais amor. De costas viradas, fazemos como se os seus problemas não fossem nossos. Sabemos, no entanto, que foram e são causados por nossas ações impensadas. Ações estas que invertem o duo racional/irracional, porque, na atual desordem ambiental, quais os seres que agem por ganância, destruindo a biodiversidade?  A poluição dos oceanos, principal responsável pela saúde de toda a terra, é um exemplo.

Encontros de países discutindo esse tema estão nas agendas internacionais; alertas de cientistas e ambientalistas são dados. Os chefes de estado, porém, pouco ou nada fazem. Podemos compreendê-los, não desculpá-los. Reagem de acordo com os interesses de fortes grupos empresariais, o que compromete não apenas o meio ambiente. O leque é bem mais abrangente, desde transportes coletivos, assistência sanitária-médica-educacional e todos os outros compromissos dos governos para com os cidadãos de seus países.

Sete bilhões de pessoas que aqui vivem já estão na linha limítrofe da capacidade populacional da terra. Este fato já seria suficiente para pararmos um pouco para pensar. Indo além, colocando na estatística os ‘outros seres’, constatamos que somos dezenas de bilhões respirando e retirando sua subsistência do solo em que vivem. Que uns aprendam com os outros, com humildade e amor. Só o amor vai nos trazer a mágica transformadora. Amor ao próximo, amor à natureza e amor a nós mesmos. O amor é altruísta, sabe abdicar, consegue deixar de lado os ismos – consumismo, egoísmo, fanatismo, partidarismo entre outros. Conciliar moradia com não desmatamento e olhar os que necessitam de um maior apoio, são duas das questões fundamentais para a sobrevivência da Terra; é também retribuir o amor que tão generosamente nos deu este planeta que nos acolhe.

 Amor inclui respeito e atenção. Com amor pode-se construir uma sociedade mais justa, desconstruindo princípios falhos. Com amor pode-se construir caráter, derrubando ganâncias. Só o amor poderá resgatar natureza e sociedade. Na prática, esse amor pode ser construído nas novas gerações através de disciplinas engajadas com os problemas sociais e ambientais; com exercícios práticos do cotidiano e com exemplos que levem crianças e adolescentes a comparações. Assim, a escola levará o educando a ser mais crítico, com um senso de cooperação mais desenvolvido e uma maior e mais humana visão de mundo.

.......

Fotos: Hortênsias.

.

sexta-feira, junho 20, 2014

Via Vida: Sobre Copa, Eleições e Universo




Provérbio citado hoje nos programas eleitorais gratuitos. Vociferado ontem por políticos, colunistas sociais e por muitos. Ontem, hoje, enquanto houver uns e outros. Céus! Que os grupos se unam. Que ondas de paz passem por todos. Amém.

Em tempos de Copa e de eleições, nunca é demais implorar: Que as caravanas se pintem não só de verde e amarelo. Que se mesclem e carreguem consigo as outras cores de nossa bandeira.

O futuro do azul do universo depende do tapete verde do solo e do amarelo debaixo deste. 

No azul do universo ou no branco da paz encontra-se o futuro de todas as cores e de todas as coisas. 

Como já disse nas redes sociais, a Copa não tem culpa. Curta a Copa sem culpa. E vote (con)sciência.  

----------------------------

domingo, fevereiro 23, 2014

Via Vida: Uma Borboleta nas Mãos de um Trabalhador

Mãos que lidam com a terra - A borboleta parece olhar e admirar as mãos do trabalhador  

Em nosso país há muitos trabalhadores vindos de várias partes do mundo, principalmente da América do Sul. Ontem, em uma feira de Brasília, encontrei um desses trabalhadores. Ele mostrava uma borboleta que tinha pousado em suas mãos. Uma borboleta que parecia ter saído, naquele momento, de um casulo. 

Como sempre estou "pronta para mais um clique", imediatamente cliquei aquela pequena mensageira de beleza e de paz. Mal sabia eu que estava na verdade fotografando as mãos de um vencedor. Um homem cujas mãos mostram ser de uma pessoa que faz com que elas - suas mãos - sejam um orgulho para si mesmo, antes de mais nada. 

Pouco sei sobre ele, apenas que nasceu em um país vizinho, estudou e trabalhou em muitos outros países, casou-se com uma brasileira que participava lá fora de projetos sociais e depois de rodarem o mundo resolveram fixar residência no Brasil. Compraram um pedaço de terra e, pelo visto, estão, em duplo sentido, colocando "as mãos na massa". Explico: Eles não estavam na feira fazendo compras ou a passeio; foram vender empanadas*, por sinal deliciosas.

É no trabalho diário que nos libertamos e nos humanizamos. A borboleta, além da beleza, traz consigo o símbolo da liberdade através da paciência e da persistência. Ela pacientemente se liberta do casulo, dando uma bela lição de vida.

Nossas mãos falam por nós. Dizem um pouco daquilo que somos. Quando em momentos difíceis não nos damos por vencidos, são elas nossas poderosas armas. 

Vendo as marcas nas mãos fotografadas, lembrei-me do filme "E o vento levou". A personagem Scarlett O'Hara, depois de perder tudo, gritou com todas suas forças que não passaria fome, nem ela nem sua família. Colocou as mãos na terra, criou calos arando e plantando. Venceu, porque o trabalho é sempre libertador, motivando-nos e nos impulsionando a seguir em frente. 

Uma ótima semana!

----------

*Empanadas: Iguaria argentina, com o formato de um pastel de forno. Deliciosa.

----------

A borboleta ainda com as asas um pouco curvas. Parece que tinha saído, naquele momento, de seu casulo. 

A borboleta sobre a cesta de empanadas


-------------------------------------------------------- 

domingo, abril 21, 2013

Via Vida: Pater

 



No início do século passado havia um casal em uma pequena cidade do interior maranhense. Eles tinham muitos filhos, como era normal naquela época. Um deles se destacava dos demais, desde molecote. 

O menino era de pensamento rápido, brincalhão, serelepe mesmo. Porém, gostava de estudar e passava horas escrevendo poesias e lendo todos os livros que lhe caíam nas mãos. Apesar desse diferencial em relação aos outros, era querido e amado por todos. 

Viviam dizendo que ele iria ser padre, pois era prestativo, gostava de ajudar seus amigos, sua família e as pessoas à sua volta. Cresceu ouvindo isto. Ser coroinha e seguir por essa trilha imaginada para ele, não seria surpresa para ninguém. 

Imaginada para ele, não por ele. O que ele admirava mesmo – e inconscientemente desejava - estava bem longe desse caminho, em um sentido totalmente oposto. 

Não se via fechado, isolado e fazendo sermões. Achava bonito uma família grande, com uma escadinha de filhos, exatamente como a sua. 

Achava ainda mais bonito quando saía e via cabecinhas de cabelos longos em delicados vestidos românticos. Aí, já viu, o moleque se derretia todo. Perdia a noção do tempo ao ver as meninas passando por ele. Quando conversava com alguma delas que lhe dava arrepios, passava noites e noites sonhando.

Dico era o apelido do garoto. Na verdade, ele iria fazer o seminário por falta de opção. Nas redondezas de sua cidade nada se comparava ao ensino ali dado e seus pais não podiam lhe pagar um colégio na capital. Ouvia que para ser padre era necessário estudar muito, além de teologia, ciências sociais, línguas, tinha até latim. Sim, os seminários antigos ensinavam latim a seus alunos seminaristas, por uma razão especial: as missas eram ditas em latim. Logo, os padres deveriam estudá-la.   

Como seria bom aprender uma língua raiz de muitas outras, o jovem pensava e ao mesmo tempo ficava intrigado sobre as missas serem em latim. Dizia: - As missas são tão bonitas, ficariam bem melhores se os padres pudessem falar sem se esconderem atrás de uma língua incompreendida por todos. 

Perguntas e questionamentos não tão relevantes quanto as saias usadas pelas meninas de seu tempo. Ah! As meninas! Elas que eram importantes e não saíam de sua cabeça. Teria que deixar de lado as serenatas que fazia com seus amigos? Ora, o que iria aprender no seminário valia a pena, achava.

Foi para o seminário e logo de cara gostou e até se entusiasmou com as matérias. Eram muitas mas isso não o assustava, gostava mesmo de estudar. Logo se viu como o primeiro aluno em latim. As missas eram ditas nessa língua morta, berço das línguas indo-europeias. Com uma boa dicção e falante como ele só, nos primeiros anos já era visto ajudando a dizer missas. As primeiras que ajudou a celebrar se sentiu no céu, voando como um anjinho. Sim, estava no lugar certo, deduzia já se vendo um padre, até que...

Até que as férias chegaram. Casa, amigos, festas... Aquela linda mocinha continuava flertando com ele. Uma saidinha não faria mal algum, só uma...

- Aproveite a vida enquanto pode Dico, diziam seus amigos.

- É verdade, tenho que namorar agora. Depois, como padre, acabou-se... E assim foi pensando, levando e ficando.

Um ano, dois anos, três anos entre seminário, casa, amigos, festas, meninas. "Que la vie est belle!", falava com uma pontinha de orgulho mostrando para as garotas que aprendera francês. 

Mas um período de descanso com sua família. As roupas de antes quase não lhe serviam mais.

- Como cresceu e ficou bonito, falava sua mãe.